Energia solar ou mercado livre: o que escolher?

Postado em 2021/01/25 em Novidades

Quando o assunto é redução de custos, a energia solar e o mercado livre são dois modelos de contratação que vem conquistando cada vez mais empresas. Isso fica ainda mais perceptível quando nos deparamos com alguns dados do ano passado:

No entanto, os dois modelos apresentam diferenças em relação ao retorno de investimento, custo de implantação e cobranças. 

Para que você possa entender mais sobre o assunto, reunimos as principais distinções entre energia solar e mercado livre e os critérios que devem ser levados em consideração no momento de escolher entre as duas possibilidades.

Confira o infográfico da CAMERGE e saiba como funciona o mercado livre de energia

 

O que analisar no momento de escolher entre energia solar e mercado livre?

Para definir a forma mais vantajosa de obtenção de energia para sua empresa é necessário compreender quais são as especificidades de cada um dos modelos.

Aprovada em 2012 pela Resolução Normativa 482 da ANEEL, a geração distribuída fotovoltaica é uma alternativa viável para empresas que não alcançam a demanda necessária para ingressar no Ambiente de Contratação Livre de Energia.

Agora, se você tem a possibilidade de optar entre energia solar e mercado livre, fique atento aos pontos que serão abordados a seguir:

– Tempo de retorno do investimento

O payback é um dos fatores mais determinantes para o consumidor optar entre energia solar ou mercado livre. O retorno de investimento de uma usina solar com boa insolação costuma ser de, no mínimo, cinco anos. 

Quando falamos em ACL, o investimento pode ser menor, ou até mesmo inexistente – caso das subestações novas. Isso vai depender da necessidade de adequação na subestação da empresa (laudo feito pela distribuidora), mas geralmente o retorno de investimento costuma ser entre três meses e um ano. 

– Custo do investimento

O investimento para implantação de uma usina fotovoltaica tende a ser mais elevado que as adequações realizadas para entrar no Mercado Livre de Energia. Enquanto no ACL, pode, ou não, existir a necessidade de investimento – depende da adequação na subestação, contando apenas como investimento o valor para adesão à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, que é R$ 6.707,00.

– Consumo de ponta

O consumo de ponta corresponde a um período de três horas consecutivas, definido pela concessionária em função das características de seu sistema elétrico. Neste horário a tarifa de energia chega a ter preço triplicado quando comparadas às demais horas do dia. 

Na energia solar, o consumo no horário de ponta dificilmente será abatido. Isso porque a maior geração de energia é entre 10h e 15h, sendo que o período de ponta definido por cada distribuidora, normalmente ocorre após às 18h – momento em que a incidência de sol é menor. 

Já o consumidor livre paga um preço de energia menor, se comparado ao da distribuidora. Além disso, dependendo do tipo de energia adquirida, pode receber um incentivo sobre o consumo de ponta. 

– Demanda

Neste critério encontramos situações bastante distintas. Enquanto no ACL, o consumidor pode receber incentivo na tarifa de demanda; na solar, não é concedido nenhum tipo de incentivo. Inclusive, dependendo da planta e do local, a demanda de energia solar pode aumentar junto à distribuidora. 

– Limitações técnicas e físicas

A geração distribuída pede um estudo mais complexo em relação a esse fator. Além de levar em conta o dimensionamento técnico, também é preciso analisar a questão física. Os dois elementos são primordiais para o tamanho da usina e, consequentemente, para a carga que será fornecida. 

No Ambiente de Contratação Livre é o dimensionamento técnico que determina se a empresa está, ou não, apta a realizar a migração. Neste modelo, as informações para os projetos técnicos são fornecidas pela distribuidora, e costumam estar relacionados apenas à subestação da empresa.

 

Qual a melhor escolha?

Energia solar e mercado livre exigem uma análise minuciosa dos prós e contras para determinar qual se enquadra melhor no perfil do consumidor. Nas duas situações é possível destacar a questão da sustentabilidade, já que o mercado livre também permite a compra de energia renovável. 

Fazendo um breve resumo sobre cada uma das possibilidades, podemos dizer o seguinte:

A energia solar na geração distribuída promove créditos para descontar na fatura. No entanto, é necessário ficar atento aos riscos que o negócio pode oferecer, como geração menor que a carga total, fatores externos (período chuvoso prolongado), além de não ter como armazenar energia e não gerar energia à noite. 

O Mercado Livre de Energia requer um investimento inferior, sendo que seu principal fator de risco está ligado à estratégia de compra de energia. Para resolver essa questão, basta contar com uma empresa de gestão de energia, como a Camerge. 

A Camerge possui expertise no mercado e conta com uma equipe de especialistas capazes de identificar as melhores oportunidades para o seu negócio. Através de estudos para viabilizar a migração para o mercado livre buscamos esclarecer todas as dúvidas de nossos clientes. Dessa forma, torna-se mais fácil escolher o modelo que será mais lucrativo para sua empresa.

Ficou interessado e quer saber se a sua empresa pode migrar para o Mercado Livre de Energia? Entre em contato com a gente!

Voltar