Tarifa de Energia Ultrapassa Inflação

Postado em 2018/07/04 em Novidades

Nos últimos anos, a conta de luz tem se tornado uma preocupação extra para o bolso dos brasileiros. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica, a tarifa de energia dos consumidores residenciais sofreu aumento acumulado médio de 62,0% de 2013 a 2018. Esse crescimento ultrapassa a inflação acumulada durante o período e também o reajuste anual do salário mínimo.

Com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e da Aneel, fizemos um comparativo de evolução entre a Tarifa Residencial de Energia Elétrica e o IPCA, IGPM, INCC e o Salário Mínimo.

 

Aumento tarifa residencial 1

Aumento tarifa residencial 2

Fonte: IBGE, FGV e Aneel

Um fator que impacta para o encarecimento das contas de luz é a falta de chuvas. Nos últimos anos, devido à redução de pluviosidade que afetou os reservatórios das hidrelétricas, os acionamentos de termoelétricas têm sido mais frequentes. 

Porém o principal motivo que ocasionou o aumento das tarifas foi Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que visa arrecadar recursos, pagos pelos consumidores via conta de luz, para investir e financiar melhoras no setor elétrico.

Abaixo, segue o histórico anual do valor da tarifa de energia residencial.

 

VALOR MÉDIO DA TARIFA DE ENERGIA (R$/MWh)

Aumento tarifa residencial 3

Fonte: G1 e Banco de Dados Aneel

 

A Aneel disponibiliza junto à divulgação da bandeira tarifária mensal, Dicas de Economia de Energia que auxiliam o consumidor a reduzir gastos “desnecessários”.

Para saber informações sobre a bandeira tarifária de julho, clique aqui.

 

 

Voltar